Thaís Camelo, psicóloga, traz orientações sobre a importância do trabalho psicológico no combate a pandemia

Thaís Camelo, psicóloga, traz orientações sobre a importância do trabalho psicológico no combate a pandemia

previous arrow
next arrow
Slider

A Dra Thais Brito, Psicóloga utilizou o espaço do Blog Cidelândia em Foco, a convite deste editor, para trazer algumas orientações sobre a importância do trabalho psicológico em meio a essa pandemia que vem assolando o país.

Dentro desse tipo de epidemia, embora as estimativas sejam de que, pelo menos metade da população venha a ter algum tipo de dificuldade em lidar com esse tipo de evento e necessitar de ajuda, podemos perceber que 100% da população precisa de algum tipo de cuidado. O que não significa que seja um cuidado especializado que tenha que ter um psicólogo ou psiquiatra, muito menos o uso de medicamento controlado. Inclusive, dentro da estrutura de se precisar de algum desses, ou de ser encaminhado para um centro de atenção psicossocial, ou de algum outro serviço especializado vai de 1 à 4%, ou seja, não é muito diferente do que já é rotina para esses serviços. Isso só para observar que, apesar de todos sofrerem o impacto pela pandemia da Covid-19, nem todo mundo vai desenvolver algum trauma, ou necessitar de uma ajuda rápida de um especialista.

Muitas das reações que estamos vivenciando nos dias de hoje, são consideradas normais para esse tipo de evento. Praticamente nenhum de nós passou ou vivenciou esse tipo de situação antes. Então, todas essas sensações de medo, de angústia, ou de que tudo esteja sempre sujo, que é preciso limpar as mãos a todo momento é uma demanda real. O que pode nos trazer a partir daí uma noção de que manter-se limpo, está ao nosso controle.

Alguns guias, inclusive os da Fiocruz enfatizam que qualquer profissional da saúde com técnicas específicas pode produzir estabilidade emocional para alguém em um primeiro nível.

O número de pessoas que irão apresentar algum tipo de transtorno existe, mas ainda são aquelas que em alguma fase da vida já produziram algum tipo de instabilidade e em algum momento isso aflora, tende a ficar mais evidente, a diferença agora é a intensidade e a velocidade desses sintomas.

Thaís Camelo – Psicóloga

Então, observar quais são as nossas estratégias e tudo aquilo que podemos usar como enfrentamento, pensando nos primeiros cuidados psicológicos e lembrando que, maior parte da população vai sentir inquietude, instabilidade, medo, confuso, irritado, podem haver mais brigas e conflitos e que todas essas são reações esperadas, concluiu ela.

Nota: A Psicóloga Thaís Camelo atende atualmente em consultório particular e realiza consultas por agendamento pelos contatos abaixo:

(99)98482-6163/ 98836-1584

Email: thais.camelob@gmail.com